[Dublin] Entre sonhar e amadurecer. LIVING ABROAD

Por Lucas Boesche

Quando estava me preparando para o intercâmbio, muitas dúvidas surgiram. E o que eu mais lia eram pessoas falando sobre o amadurecimento que ocorre nessa nova jornada. Sempre fiquei muito interessado nesse tal amadurecimento, mas nunca me perguntei como ele acontecia ou se daria para perceber que ele aconteceu. Vou tentar explicar mais ou menos como está sendo pra mim.

Não sei se todo mundo já passou por isso mas, muitas vezes, quando me perguntam qual a minha idade, a resposta é sempre rápida e direta. Há alguns dias, meu novo colega de trabalho me fez essa pergunta e eu demorei para responder. Tenho 25 anos e, até esse dia, eu me sentia um adolescente. Mas as coisas estão mudando.

Para vocês entenderem isso, preciso explicar o que está acontecendo nesse exato momento (prometo ser rápido). Fazem três meses e vinte dias que estou em Dublin, e estou procurando emprego há mais ou menos um mês. Semana passada recebi uma ligação dizendo que tinha conseguido um teste como Kitchen Porter (auxiliar de cozinha = lavar pratos e limpar cozinha) em um restaurante bem tradicional. Emprego dos sonhos? Nem perto disso! Trabalhar na cozinha é um inferno! Mas quando seus alguns mil reais se transformam em uma quarta parte do valor em euros, e sua linda conta europeia começa a chegar perto dos três dígitos, esse emprego pode ser a sua salvação.

Quando chegamos na cidade que escolhemos para o intercâmbio, tudo é muito lindo. É uma diferença tão grande comparando ao nosso Brasil. As coisas realmente funcionam aqui. As pessoas respeitam mais, as ruas são mais bonitas e limpas. Tudo é novo, e você se encanta com tudo que vê. Nos primeiros meses você se sente em uma colônia de férias. Lugares novos, viagens, festas, novos amigos. Mas quando você olha para a sua conta e vê que em três meses o dinheiro só saiu, as coisas começam a mudar.

Não interessa aonde você vai, o dinheiro sempre importa e é aí que começamos uma rotina nova, e as férias acabam. É incrível como uma coisa consegue abalar outra. Quando estamos trabalhando em um país que não é o nosso, somos estrangeiros e nada mais. Isso é ruim? Sim, mas não é o fim do mundo. Aqui a realidade te dá um tapa na cara, porque quando estamos no Brasil podemos argumentar, perguntar, sugerir coisas no nosso trabalho. Aqui, os sub-empregos, como chamamos, são tão concorridos quanto qualquer emprego mais almejado, o que significa que se você não se adaptar ao emprego, ele não vai se adaptar a você. A fila de estrangeiros atrás de você querendo a sua vaga é enorme, e não é só você que sabe disso. O seu chefe também sabe.

E onde fica a parte de amadurecimento? Então, quando estamos na nossa casa, com a nossa família, no nosso país, as coisas são menos complicadas. Já tive emprego no Brasil no qual eu não me adaptei, tentei conversar e não mudou, então eu saí. Aqui a coisa não é tão simples. Você realmente precisa do dinheiro para continuar. Você precisa ser forte e enfrentar as dificuldades, senão vai voltar para casa muito antes do que imaginava.

O sonho acabou? Não, o sonho não acabou. Eu não quero desanimar ninguém com esse texto. Pelo contrário, eu quero deixar vocês mais preparados para quando chegarem aqui. No Brasil enquanto eu estava sentado à minha mesa, trabalhando como designer de embalagens, tinha dias em que eu pensava: “preferia estar lavando prato do que estar aqui”. E agora estou fazendo exatamente isso.  Mas essa está sendo a minha experiência, e não podemos nos basear em apenas uma pessoa, mas acho interessante mostrar como é a minha realidade.

Hoje eu posso não estar satisfeito com o que estou passando, mas  amanhã posso estar realizado com o que pode acontecer. Por mais difícil que seja, eu acho que essas são as partes mais importantes de um intercâmbio, e são essas as coisas que fazem você amadurecer de verdade. Você começa a dar valor para as pequenas coisas que antes sequer notava. Você começa a valorizar todo o tipo de trabalho. Você se dá conta de que reclamou muito sobre coisas muito pequenas, as vezes quase insignificantes. Você não apenas vê, mas sente o próprio amadurecimento a cada dia. E isso é incrível!

 

PLAYLIST DO POST:

Oceans – Pearl Jam

 

Just Breathe – Pearl Jam

 

Let Her Go – Passenger

 


Lucas Boesche

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>